Warning: mysqli_query(): (HY000/1194): Table 'wp_wfconfig' is marked as crashed and should be repaired in /home/apresentacaodemaria/www/wp-includes/wp-db.php on line 2056

Warning: mysqli_query(): (HY000/1194): Table 'wp_wfconfig' is marked as crashed and should be repaired in /home/apresentacaodemaria/www/wp-includes/wp-db.php on line 2056

Warning: mysqli_query(): (HY000/1194): Table 'wp_wfconfig' is marked as crashed and should be repaired in /home/apresentacaodemaria/www/wp-includes/wp-db.php on line 2056

Warning: mysqli_query(): (HY000/1194): Table 'wp_wfconfig' is marked as crashed and should be repaired in /home/apresentacaodemaria/www/wp-includes/wp-db.php on line 2056
Santidade: vocação de todos – Apresentação de Maria
hands-1139098_1920

Santidade: vocação de todos

Compartilhar no facebook

P. Dário Pedroso sj

1º Todos chamados a ser santos. O apelo de Deus à santidade é feito a todos. O Concílio Vaticano II, recordou este ensinamento ao falar-nos da “vocação universal à santidade”. Todo o baptizado tem em si, como gérmen e como dom, a santidade. S. Paulo afirmava que os cristãos já eram “santos”, na medida em que baptizados já participavam da santidade de Jesus, e ungidos pelo Espírito viviam no seu ser essa mesma santidade. A santidade, pois, como dom de Deus, não como conquista nossa, apesar de exigir a nossa colaboração, é vocação para todos os cristãos, é caminho para todos, é chamamento feito a todos: casados ou solteiros, padres ou religiosos, cultos ou analfabetos, ricos ou pobres, de todas as raças e da universalidade do mundo cristão. Todos somos chamados a responder ao apelo de Deus “Sede santos, porque Eu o Senhor vosso Deus sou santo”, que é traduzido por Jesus: “Sede perfeitos como o Pai celeste é perfeito”.

2º A Solenidade de Todos os Santos, com que começamos o mês de novembro, vem lembrar-nos a universalidade da santidade, pois celebramos todos os que estão no Céu na comunhão de Deus, na glória, na visão beatífica, inseridos na Família Trinitária, mesmo que não tenham sido canonizados ou beatificados pela Igreja. Celebramos todos e, por isso, celebraremos sem dúvida, algum santo da nossa família, nosso amigo, nosso colega, nosso conterrâneo, nossas irmãs da Congregação, etc. Todos aqueles que estão mergulhados em Deus e vivem a imensidão do amor. É a festa da santidade, como vocação de todos e caminho que todos temos que seguir.

3º Santo: cristão normal. Disse alguém que “um santo é um cristão normal” que tomou a sério a sua vocação baptismal e viveu com perfeição os diversos momentos da sua vida. Com fraquezas, talvez com quedas, na santa teimosia de aderir ao projecto divino da santidade e ao dom que Deus nos faz da sua própria vida. Neste sentido ficou célebre a frase que diz que “um santo é um pecador que não desiste”. É isso mesmo, não desiste nunca, apesar das fraquezas do seu ser de pecador, mas colabora com o dom de Deus para caminhar mais além. E como diz um provérbio árabe: “Quem tropeça e não cai, dá um passo maior”. Na sua fragilidade o homem cristão e a mulher cristã, sabem que Deus, na sua misericórdia, está sempre do seu lado, para perdoar e ajudar na caminhada da santidade. Não duma perfeição conseguida a pulsos de ferro, a força, mas num esforço cristão de aderir à santidade de Deus em nós que quer fazer maravilhas, que nos quer mais identificados com Ele, que, como dizia Santa Teresa quer divinizar-nos para que “a alma já não seja alma, mas Deus”.

4º A nossa Fundadora. A Madre Rivier é modelo para cada um e cada uma, sempre e em tudo. Mulher santa, cristã, consagrada santa. Qual a dimensão da Madre Rivier que mais preciso trabalhar, ou me sinto mais débil, menos “santo ou santa”. Preciso do deserto da oração, feito coração? Preciso de aprender a sofrer no silêncio oblativo? Preciso da caridade fraterna na vivência comunitária? Preciso duma obediência mais adulta e mais comprometida? Preciso duma castidade que me dilate o coração para amar sempre e a todos? Preciso de fogo no coração porque apaixonada por Jesus e centrada n´Ele? Preciso de amar mais os pobres e os desprotegidos e servi-los como a Madre Rivier? O mundo precisa de verdadeiros santos e santas, como o foi Maria Rivier. Que tremendo desafio.

Compartilhar no facebook